É uma das principais perturbações na deglutição e as estatísticas mundiais apontam para uma prevalência de 60% nos idosos que sofrem de doenças degenerativas e uma incidência de 50% naqueles que têm sequelas decorrentes de AVC. Engasgamento persistente, alterações na voz e tosse após as refeições são alguns sinais de alarme.

“A pessoa com disfagia pode apresentar dificuldade em mastigar, em preparar e manter o alimento dentro da boca, de engolir, ou apresentar dor a engolir (odinofagia)”, explica Inês Tello Rodrigues, terapeuta da fala do NeuroSer, centro dedicado às doenças neurológicas.

Existem vários tipos de Disfagia consoante o local onde ocorrem as dificuldades em engolir. No entanto, todos eles exigem intervenção médica de um terapeuta da fala e de um nutricionista para avaliação das alterações na deglutição.

De acordo com a especialista, “o terapeuta da fala pode efetuar uma avaliação da deglutição oro-faríngea para identificar quais as alterações e as dificuldades existentes. Ajuda a definir com a equipa médica e de Enfermagem se é segura a alimentação por via oral (pela boca) ou se há necessidade de uma via alternativa de alimentação, como por exemplo, uma sonda nasogástrica”.

“Este profissional pode igualmente recomendar estratégias específicas para mudar a consistência e a quantidade dos alimentos ingeridos, alterar a postura da pessoa durante e após as refeições e efetuar um plano de exercícios especificamente indicados para garantir uma deglutição segura e eficaz”, acrescenta.

Ler fonte
CategoryNews
Write a comment:

*

Your email address will not be published.

Se encontrar um erro, por favor contacte: webmaster