O estudo sobre os efeitos das pílulas contracetivas, publicado no American Journal of Obstetrics and Gynaecology, descobriu que as mulheres que tomam a pílula têm uma maior proteção contra alguns tipos de cancro e que essa proteção dura 30 anos após o fim da toma.

Os investigadores da Universidade de Aberdeen acompanhara 46 mil mulheres ao longo de 44 anos e aperceberam-se que a pílula pode protegê-las do cancro do cólon e do reto, do endométrio e do ovário.

Além disso, observaram também que o risco de virem a desenvolver qualquer tipo de cancro mais tarde não é condicionado pelo facto de terem tomado pílula contracetiva durante os anos reprodutivos.

Os cientistas detetaram apenas um ligeiro aumento do risco de cancro da mama e da cervical que desaparecia depois de pararem de tomar a pílula.

Segundo o estudo, tomar a pílula diminui em 19 por cento o risco de cancro colorretal, em 34 por cento do cancro do endométrio e em 33 por cento o cancro do ovário.

“Estes resultados, do estudo mais longo do mundo acerca do uso de contracetivos, são tranquilizantes. Especificamente, quem usa a pílula não tem um maior risco em geral de vir a ter cancro ao longo da sua vida e os efeitos de proteção nalguns tipos de cancro específicos duram 30 anos”, referiu Lisa Iversen, a investigadora que liderou o estudo, citada por um comunicado da referida universidade.

Ler na fonte
CategoryNews
Write a comment:

*

Your email address will not be published.

Se encontrar um erro, por favor contacte: webmaster